quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

VITÓRIA 1 - CONFIRMADO: O PLC/122 JÁ FOI SEPULTADO. SAIBA COMO...

Projeto que criminaliza homofobia vai tramitar em conjunto com novo Código Penal

O Plenário do Senado aprovou, nesta terça-feira (17), com 29 votos favoráveis, 12 contrários e 2 abstenções, requerimento do senador Eduardo Lopes (PRB-RJ) para que o projeto que criminaliza a discriminação de homossexuais (PLC 122/2006) seja apensado ao projeto de reforma do Código Penal (PLS 236/2012).



COMENTÁRIO: Apensados ao projeto de reforma do Código Penal, estão dezenas de projetos de leis, isso quer dizer que o PLC 122 não existe mais, depende, agora, das discussões do PLS 236/2012.

VEJA MAIS
O senador Eduardo Lopes destacou que o Código Penal já engloba o assunto ao tipificar a intolerância, o racismo e todo tipo de violência. O senador explicou que, por tratarem de assuntos correlatos, não há sentido para que as propostas tramitem separadamente. Em apoio a Eduardo Lopes, o senador Magno Malta (PR-ES) disse que a criminalização da homofobia depende da tipificação desse crime no Código Penal, o que justifica o apensamento.
Os senadores Eduardo Suplicy (PT-SP) e Paulo Paim (PT-RS) se manifestaram contrários ao requerimento por acreditarem que a tramitação conjunta enfraquecerá o debate da criminalização da homofobia.

COMENTÁRIO: Está claro que os objetivos dos SENADORES DO PT, eram mesmo favorecer a comunidade gay com uma lei especial para eles. Isso deixa claro que a retirada do termo “homofobia” do projeto foi “para inglês vê”.

Paulo Paim disse que o requerimento perdeu o seu objeto, já que a comissão especial de senadores criada para examinar o PLS 236/236 já aprovou, nesta terça-feira (17), o relatório final elaborado pelo senador Pedro Taques. Para ele, a melhor saída seria a Comissão de Direitos Humanos (CDH) votar o PLC 122/2006 e a próxima comissão a analisar a matéria conforme a determinação inicial, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), decidir sobre a tramitação conjunta ou separada das propostas.
Agência Senado
(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)
Este texto foi retirado, literalmente, Agência Senado, com as devidas autorizações e foi acrescido de alguns comentários meus.

É HORA DE CELEBRAR!
Durante anos, a bancada do PT, lutou para aprovar a PLC/122. No texto original, ficaria proibido pregar contra o homossexualismo, inclusive nas igrejas. Por pressão dos evangélicos de todo o país, o Senador Paulo Paim, do PT, “amenizou”, e livrou os templos evangélicos e os locais de culto das sanções da Lei. Porém ficaria difícil falar contra a prática homossexual nas ruas, nas praças, ou seja, OS CRISTÃOS SERIAM MANTIDOS REFÉNS EM SEUS GUETOS RELIGIOSOS. SERIA UM COMUNISMO NO BRASIL, DESEJO DE MUITOS DO PT.
Ajudaram nessa vitória,no Senado, o senador Magno Malta, O Deputado Federal Pastor Paulo Freire e a psicóloga cristã Marisa Lobo, e a luta incessante do pastor Silas Malafaia.

Marisa Lobo que é perseguida pelo conselho regional de psicologia, consegue colaborar com suas posições psicológicas e cristãs que gays não podem ser tratados diferentes na sociedade. 
Se o PLC/122 tivesse sido aprovado, eu poderia ser
preso por me manifestar, neste blog,
contra a prática homossexual.
GRAÇAS A DEUS QUE O PT
NÃO CONSEGUIU SEUS
INTENTOS.
Agora podemos respirar aliviados, pelo menos por enquanto, até O PT REAGIR, OU MELHOR, SE A DILMA FOR REELEITA, O QUE EU NÃO DESEJO, APÓS A ELEIÇÃO, O PT PODERÁ MOSTRAR, NOVAMENTE, SEUS REAIS INTENTOS.  










Deixo, aqui, um recado  para o PT e para os seus eleitores: Em 1964 a ameaça comunista foi derrotada. Muitos de vocês querem trazer de volta a sombra comunista que tem como PRINCIPAL FOCO:SUFOCAR A LIBERDADE DE CRENÇA E DE EXPRESSÃO. Porém, enquanto houver brasileiro amante da democracia, defenderemos o verde e amarelo da nossa bandeira, e jamais abraçaremos o vermelho do comunismo. 
João Moreno de Souza Filho.
Professor, Ministro do Evangelho, 
Pernambucano, Brasileiro. 

Nenhum comentário:

QUERO COMPRAR O LIVRO DECIFRANDO OS CÓDIGOS DO MAL

Código para o site